Segurança Alimentar

Segurança Alimentar

Sistema de gestão integrado

Ao longo dos tempos a alimentação desempenhou sempre um importante papel na história da humanidade.
“As doenças e as lesões causadas por alimentos são, no mínimo, desagradáveis e, nos piores casos, podem ser fatais. Mas existem também outras consequências. Os surtos de doenças com origem nos alimentos podem causar prejuízos ao comércio e ao turismo, e dão origem a perdas de rendimento, desemprego e litígio. A deterioração dos alimentos representa um desperdício, é dispendiosa e pode prejudicar o comércio e a confiança dos consumidores.”


“O comércio internacional de alimentos e as viagens internacionais estão em crescimento, proporcionando importantes benefícios sociais e económicos. Mas tal facto também facilita a propagação de doenças à escala mundial.

Nas últimas duas décadas, também os hábitos alimentares sofreram grandes alterações em muitos países e novas técnicas de produção, preparação e distribuição de alimentos foram, por sua vez, desenvolvidas. Deste modo, o controlo higiénico eficaz é fundamental para evitar as consequências nefastas para a saúde humana e para a economia das doenças e lesões causadas por alimentos.”
Todos os intervenientes da cadeia alimentar têm a responsabilidade de garantir a segurança dos produtos alimentares nas fases em que intervém, independentemente da natureza das atividades que desenvolvem.

A existência de um sistema de segurança alimentar é um requisito legal para todas as unidades, industriais ou não, onde se proceda à preparação, transformação, fabrico, embalagem, armazenagem, transporte, distribuição, manuseamento e venda ou colocação à disposição do consumidor de géneros alimentícios.

A Novadelta desde cedo que se preocupa com a segurança dos produtos que disponibiliza aos seus clientes. Assim sendo, em 1999 implementou o sistema HACCP, o qual era reavaliado anualmente ou sempre que houvesse alterações de layout, equipamento, processos e/ ou matérias – primas.
No ano de 2003, foi estratégia da empresa certificar o sistema de HACCP pela norma DS 3027:2002, a escolha desta norma baseou-se no facto de não existir até ao momento nenhuma ISO.

Em 2006 surge a tão esperada ISO direcionada para a Segurança Alimentar – NP EN ISO 22000:2005. A Novadelta, procede deste modo ao reajuste do seu sistema, de modo a incluir todos os requisitos da norma e proceder à sua certificação.

As exigências em segurança alimentar aumentam. Cada vez mais os consumidores exigem responsabilidades a todos os intervenientes da cadeia alimentar. Fornecedores e clientes procuram metodologias eficazes para transmitir segurança aos consumidores, e as exigências mútuas são contínuas.
Em 2007 a Novadelta sentiu a necessidade de adequar o sistema existente e integrar alguns dos requisitos da Norma BRC – Global Standard Food e IFS – International Featured Standard.

Em 2016 atingimos um novo marco na Segurança Alimentar, e obtivemos a certificação FSSC 22000 (Food Safety System Certification 22000), esta certificação é reconhecida pela Global Food Safety Iniciative.

Consiste numa iniciativa empresarial orientada para a melhoria contínua dos sistemas de gestão de segurança alimentar para garantir a confiança no fornecimento de alimentos seguros para os consumidores em todo o mundo. Esta certificação assume uma relevância na conquista dos mercados internacionais.

Podemos afirmar que a Novadelta garante a inocuidade dos seus produtos alimentares, baseando-se num sistema preventivo de controlo alimentar, atuando em conformidade com o Código de Boas Práticas de Fabrico implementado, os requisitos normativos da FSSC 22000 (NP EN ISO 22000:2005+ISO/TS 22002-1+FSSC Requisitos Adicionais Part1, Appendix IA).

O sistema de Segurança Alimentar complementa o atual controlo de qualidade, realizado fundamentalmente através de colheitas de amostras de matérias-primas, produtos intermédios e finais e da posterior análise para confirmação dos parâmetros fixados legalmente, permitindo:

  • Planear, implementar, operar, manter e atualizar um sistema de gestão da segurança alimentar destinado a fornecer produtos que de acordo com a utilização prevista, são seguros para o nosso consumidor;
  • Demonstrar a conformidade com os requisitos estatuários e regulamentares aplicáveis à segurança alimentar;
  • Avaliar e apreciar os requisitos do cliente e demonstrar a conformidade com os requisitos relativos à segurança alimentar acordados mutuamente, de modo a melhorar a satisfação do cliente;
  • Comunicar eficazmente as questões relativas à segurança alimentar, aos seus fornecedores, aos clientes e às partes interessadas mais relevantes na cadeia alimentar;
  • Assegurar que atua em conformidade com a sua política declarada sobre segurança alimentar;
  • Demonstrar esta conformidade junto das partes interessadas mais relevantes.
a carregar...
a carregar...